top of page

GEOPROCESSAMENTO, PLANEJAMENTO E APLICAÇÕES PRÁTICAS

Os avanços tecnológicos estão transformando nossas vidas. A elaboração, adaptação e aprimoramento das bases de dados geoespaciais, integrando-as a bases cartográficas digitais, possibilitam que se amplie a agilidade e a eficiência para fazer previsões e executar a tomada de decisões, otimizando as aplicações recursos financeiros disponíveis e potenciais.


Também conhecido como Geomática, abrange o conjunto de técnicas dedicadas à coleta, armazenamento e processamento de informações espaciais, tais como Cartografia, Sensoriamento Remoto, Geoestatística, Sistema de Informações Geográficas (SIG), entre outros.



Dentre estas tecnologias, destaca-se o Sistema de Informações Geográficas (SIG), que inclui um conjunto de metodologias, softwares, equipamentos de coleta e processamento de dados, bem como recursos humanos dedicados a integrar dados e informações espaciais, podendo ser processadas para gerar novas informações úteis.


O geoprocessamento se constitui num importante aliado da das empresas e órgãos públicos para racionalizar o uso e definir as prioridades para ações mais urgentes.

As técnicas de geoprocessamento permitem melhor planejamento de tarefas e atendimento qualificado das comunidades.


Aplicações no cotidiano das cidades e dos negócios


A possibilidade de acesso aos dados geográficos, com rápida e dinâmica visualização da realidade socioespacial de cada região se mostra útil no processo de argumentação coletiva e como facilitador do diálogo entre os diferentes atores na gestão ambiental urbana.


O geoprocessamento se caracteriza como uma ferramenta ativa na gestão dos negócios, do ambiente e das cidades, auxiliando, entre outras coisas na planificação e organização espacial de diversos componentes.




As ferramentas de geoprocessamento podem ser aplicadas na gestão municipal na análises de dados e informações, ampliando o conhecimento dos aspectos geográficos envolvidos e utilizando a favor da sua administração e do município.


O geoprocessamento organizado numa prefeitura viabiliza o reconhecimento, análise e controle do território, cadastro técnico dos aspectos prioritários da administração pública, estudos temáticos e integração de serviços, promovendo o desenvolvimento econômico, social e sustentável dos municípios, eficiência na cobrança de impostos urbanos, ente tantas outras vantagens.


Nesse sentido se apresenta como uma eficiente ferramenta de análise, possibilitando a correlação de dados espaciais e informações diversas, organizando as demandas e principais problemas urbanos numa nova forma de planificação e percepção, facilitando seu entendimento e a definição de prioridades.



Essas ferramentas possibilitam ampliar a sua compreensão dos fenômenos urbanos e rurais, criando sistemas conceituais (modelos) que possibilitam a análise e priorização dos aspectos atuais e tendências futuras, possibilitando simular intervenções e avaliá-las antes de serem aplicadas no contexto das cidades, o que vem de encontro com a crescente demanda por eficiência e equidade no processo de planejamento.


São inúmeras as questões das cidades e das rotinas da administração pública municipal que podem ser compreendidas facilmente através de técnicas de geoprocessamento, havendo diversas experiências de sucesso e aplicações nas cidades brasileiras.


Planejamento e gestão com SIG


O estudo de locais críticos e de risco de enchentes ou deslizamentos se mostra de grande importância nas cidades brasileiras, muito sujeitas a regimes pluviométricos elevados e cuja ocupação do solo apresenta grandes problemas. As áreas sujeitas a riscos ambientais devem ter seus aspectos naturais e antrópicos conhecidos, de modo que o geoprocessamento se mostra de grande utilidade e aplicabilidade.


Programas de saúde podem se beneficiar do uso do geoprocessamento. Através do geoprocessamento é possível identificar locais de potencial transmissão de determinadas doenças, visando estabelecer a correlação entre lugares e pontos onde foi detectado algum vetor, além das características socioambientais presentes. Da mesma forma o geoprocessamento pode ser usado para analisar a correlação entre fatores climáticos, a presença de certos vetores e a ocorrência de casos da doença.



A eficiência do serviço de coleta de lixo está diretamente relacionada com o dimensionamento dos roteiros de recolhimento. Com essas ferramentas é possível analisar os serviços prestados no município, avaliando as rotas estabelecidas, número de viagens, jornada de trabalho, população atendida através do uso de SIG, possibilitando diagnosticar diversos problemas e deficiência no sistema, de modo que os mesmos podem ser revistos para melhoria dos serviços.


Para as empresas prestadoras de serviços dispor de roteiros de coleta em certames licitatórios, otimiza equipamentos e recursos humanos, possibilita definir rotas mais eficientes e contingente populacional atendido. O diferencial é a otimização das estruturas de coleta e competividade nos preços e serviços.


O geoprocessamento também pode ser útil no combate à violência, podendo estabelecer relação espacial entre a ocorrência de atos criminosos e fatores socioeconômicos, obtendo modelos que permitem caracterizar em quais regiões da cidade há ocorrências de crime e suas tipologias.


Usos e aplicações


São múltiplos os usos e aplicações do geoprocessamento. Dentre as inovações que podem ser implementadas na sua administração e gestão destacamos:

a) Gestão de registros e cadastro imobiliários, com atualização das áreas construídas e controle de cobrança de IPTU, promovendo justiça tributária;

b) Cadastro de redes de água, gás, esgoto, avaliando a disponibilização destes serviços e suas interferências nos bairros, regiões e áreas de interesse;

c) Cadastro e levantamento das áreas de preservação permanente e interesse paisagístico, atividades licenciadas nas diversas fases (Licença Prévia, Licença de Instalação e Operação), com verificação de zonas saturadas e rarefeitas para as tipologias efetiva ou potencialmente poluidoras;

d) Mapa das fragilidades e potencialidades ambientais, zonas de interesse socioeconômico, vegetação, áreas úmidas, recursos hídricos, zonas de abastecimento, entre outros aspectos relevantes;

e) Mapa de localização de comércio, pontos turísticos e de importância para seu negócio ou município;

f) Mapas epidemiológicos para avaliação de medidas em saneamento;

g) Mapas da coleta regular e seletiva para otimização de equipamentos e roteiros, entre outras aplicações importantes;

h) Mapas do Cadastro Ambiental Rural (CAR), recursos hídricos, vegetação nativa e demais aspectos importantes para programas de conservação e recuperação ambiental.



Os limites para aplicação do geoprocessamento na administração de uma cidade estão na imaginação do gestor e não mais na tecnologia. Nós damos asas a sua forma de gestão pública, com qualidade, poder de síntese e qualidade na tomada de decisão.

Dentre os benefícios obtidos em decorrência do uso do geoprocessamento:

- Adequação da política tributária e aumento da arrecadação.

- Controle adequado da ocupação do território urbano;

- Identificação mais rápida das demandas da população;

- Aumento da participação popular nas políticas públicas;

- Otimização na utilização de recursos financeiros;

- Melhoria na qualidade da gestão, com eficiência e transparência.


Encomende seus mapas!

Solicite uma reunião introdutória para conhecer as opções e pacotes de mapas para sua empresa. Oferecemos mapas temáticos e analíticos de recursos hídricos, áreas de preservação permanente, hipsometria, áreas de risco, uso e ocupação da terra, localização de empreendimento, planejamento urbano e rural, CAR, epidemiológicos, entre outras tipologias, conforme suas necessidades.



Referências

ASRAR, G. Theory and applications of optical remote sensing New York : Wiley, 1989. 734p.

ASSAD, E.D.; SANO, E.E. Sistema de informações geográficas: aplicações na agricultura 2.ed. Brasília : EMBRAPA, 1998. 434p.

BRASIL. Código florestal brasileiro, Lei nº 4.771. Brasília,1965. 5p.

BRASIL. Levantamento de reconhecimento dos solos do estado do Rio Grande do Sul. Departamento Nacional de Pesquisa Agropecuária, 1973. p.159-269.

BURROUGH, P.A. Principles of geographical information systems for land resources assessment Oxford : Clarendon, 1989. 194p.

DUTRA, L.V.; SOUZA, R.C.M. de; MOREIRA, J.C. Análise automática de imagens multiespectrais São Paulo : INPE, 1981. 139p.

EASTMAN, J.R. Idrisi: exercícios tutorais Porto Alegre : UFRGS, 1994. 109p.

NOVO, E.M.L. Sensoriamento remoto, princípios e aplicações São Paulo : Blucher, 1992. 308p.

PEREIRA, R.S. Sistema de tratamento de imagens multiespectrais 1995. 262f. Tese (Doutorado) - Curso de Pós-graduação em Eng. Florestal, Universidade Federal do Paraná.

RADAMBRASIL. Levantamento de recursos naturais Rio de Janeiro : IBGE, 1986. p.313-352, 353-383, 405-484, 541-581.

SILVA, E.M. et al. Pesquisa operacional: programação linear, simulação 3 ed. São Paulo : Atlas, 1998. 184p.

TEIXEIRA, A. L. de A.; MORETI, E.; CHRISTOFOLETTI, A. Introdução aos sistemas de informações geográficas Rio Claro : Do Autor, 1997. 80p.



Comments


bottom of page